CORD
Seu Joelho

O termo artroscopia significa olhar dentro da articulação (arthros + skopein). Desenvolvida no Japão em 1918 pelo prof. Kenji Takagi, inicialmente era realizada com o propósito de auxiliar no diagnóstico. A partir da década de 60, com o aperfeiçoamento dos instrumentos a técnica passou a ser utilizada no tratamento.

Atualmente a observação da articulação é feita através de uma câmera, conectada a um sistema óptico com ponta fina e que é facilmente introduzida e manipulada na articulação. Este sistema está ligado a um monitor no qual a imagem é transmitida, podendo inclusive ser gravada como documentação própria ao paciente e ao médico. Segundo a American Orthopaedic Society for Sports Medicine (AOSSM) são realizados no mundo inteiro aproximadamente 4 milhoes de artroscopias do joelho por ano. 

São indicadas em algumas situaçōes como: lesōes de menisco e de cartilagem que não melhoraram com fisioterapia e viscossuplementação, corpos livres intra-articulares, plica sinovial interposta, alguns tipos de bursite e sinovite e em alguns procedimentos de realinhamento patelar.

Antes da artroscopia o paciente deve ser submetido a exames pré-operatorios (hemograma, coagulograma e eletrocardiograma), e toda a logistica do dia da cirurgia deve ser repassada (horários de internação, jejum e alta provável). 
A anestesia pode ser raqui, peri ou geral. 
Para o procedimento, o membro inferior operado é garroteado, e soro fisiologico é bombeado para dentro da articulação, expandindo a capsula articular e evitando sangramentos, permitindo assim visualização perfeita das estruturas internas. As micro-incisões são realizadas ao redor do tendão patelar, e além da correção necessária, toda a cavidade articular é revisada.

A recuperação normalmente é bem rápida, porém depende do propósito do procedimento e de como foi executado.

 

Sem alt
Sem alt
Sem alt